25 fevereiro 2015

Filha sem pai!

Vivendo sem um PAI.

Oi pessoal, tudo bem? Hoje eu estava assistindo um vídeo da Flavia Calina e ela falou brevemente sobre um assunto que já faz um bom tempo que eu queria abordar aqui no blog, mas eu acabava esquecendo e então hoje eu aproveitei para falar sobre como é não tem um pai.


Bom eu nunca tive uma figura paterna, a minha mãe foi a famosa "mãe solteira" e depois do relacionamento com o meu "pai" ela teve outros namorados e até mesmo marido, mas nunca senti a figura paterna, e isso por um bom tempo mexeu comigo, a minha mãe é uma guerreira e lutou e fez de tudo por mim, e pelo meus irmãos (um mais velho e uma mais nova).
E sempre eu ouvi falar que mulheres que crescem sem a figura paterna tem uma disposição maior a não conseguir ter relacionamento com o sexo masculino. E sobre esse assunto já várias pesquisas e até certo ponto eu concordo, eu quando mais nova tive várias neuras em relação a não ter pai, e até mesmo a não confiar em homens. Tudo o que está escrito neste post é a minha visão sobre o assunto e o que eu vivi, não é uma regra e vocês não precisam concordar, pelo contrário coloquei esse assunto e quero conversar com vocês sobre isso.

Como é não ter um Pai

Quando eu falo de pai é pai realmente, aquele presente em todos os momentos da vida. Uma mulher que tem um filho e não vai ter nenhuma ajuda paterna deve se atentar em várias coisas e mais, ela deve ser muito forte por que não é fácil, tirando a questão financeira que é o de menos nos dias atuais (pensão alimentícia) existem outros fatores que se a mãe não tiver pulso firme e jogo de cintura, pode mudar a criança para o resto da vida. Em datas comemorativas principalmente nos dias dos pais, exige um preparo de todas as pessoas que estão a volta, por que eu me lembro muito de quando eu estava na escola e a professora ensinava os alunos a fazerem algum tipo de presente para dar aos pais e era muito constrangedor e triste ao mesmo tempo, você não ter um pai para dar o presente e muitas vezes nem ao menos um nome para colocar no cartão, e isso para uma criança é triste, as outras em volta podem não entender e questionar, então preparo é essencial.
Eu nunca senti realmente a falta de um pai por que eu nunca soube o que é ter um, a não ser em momentos que eu via as outras crianças em alguma situação igual a minha, mas com a diferença delas terem um pai e eu não.

Ajuda financeira

Eu nunca recebi ajuda financeira do meu pai, e na época não me fez falta, na medida do possível minha mãe conseguiu suprir todas as minhas necessidades, eu comecei a trabalhar bem cedo acho que com uns 8 ou 9 anos em trabalhos que não é adequado para criança, mas tudo isso me fez dar valor ao que tenho e a minha independência chegou bem cedo e isso eu acho bem positivo. Apesar de começar a trabalhar cedo minha mãe sempre me falou o quanto estudar é importante e sempre me apoio a fazer cursos e depois a entrar na faculdade.
Quando completei 13 ou 14 anos, minha mãe conversou comigo sobre receber ou não pensão alimentícia, ela me explicou o processo e falou que com a ajuda financeira que eu receberia, eu poderia investir em estudos e coisas extras que ela não podia me ajudar, mas eu cheguei a conclusão com ela que o mais importante em tudo esses anos que é o amor e carinho que eu deveria receber eu não tive então na questão dinheiro nós daríamos um jeito.

Personalidade

Eu sou do tipo de pessoa com personalidade forte, convicta dos meus pensamentos, e por incrível que pareça não tive problemas em ter relacionamentos com homens, tive vários amigos do sexo masculino, e quando falamos na questão de relacionamento homem/mulher tive um namorado e estamos juntos até hoje 8 anos depois. Acho isso incrível por que em todas as pesquisas que li descrevia que mulheres que cresceram sem a figura paterna, tem um grande bloqueio para confiar em homens e que normalmente quando em um relacionamento elas buscam nos namorados/maridos aquelas características de pai um homem mais velho, com responsabilidade que cuide dela.
O Ricardo (meu namorido) é apenas um ano mais velho que eu, e a cabeça da relação sou eu! E sobre dar explicação ou satisfação eu odeio fazer isso, e talvez a questão de não ter um pai ou da independência prematura pode ter influenciado.


E depois de tudo isso que falei não pense que crescer sem um pai presente é fácil e não tem problema é bem ao contrário, eu ainda luto contra os meus demônios , não ter o nome do seu pai no RG faz diferença, não ter uma figura masculina para te ajudar em certas ocasiões machuca, e financeiramente faria a mesma coisa e trocaria fácil, a ajuda financeira por carinho e alguém para chamar de pai! Se você é mãe ou pensa ser algum dia, pense bem quem é seu parceiro e se ele realmente está preparado para a função pode parecer clichê por que acho que nunca estaremos realmente preparados para ser pais, mas devemos nos certificar que no mínimo carinho não vai faltar, agora se você é mãe solteira amiga força que tudo vai dar certo e bola para frente, lembre- se você vai ser inspiração para seu filho! Ah e mãe sei que vai ler esse post, você sabe o quanto tenho orgulho de você e agradeço por tudo até pelas brigas e pode ter certeza você cumpriu e cumpre o seu papel como uma rainha, um beijo preta do meu coração!!!    

UPDATE 11/03/2015: Pessoal, a Karol aqui nos comentários indicou este post sobre o assunto e achei bem legal, ele é um piscologo e explica melhor a questão abordada aqui no post! Dá uma passada lá para ler.  Blog Papo de homem
.

Bom pessoal acho que o post ficou um pouco grande mais queria compartilhar um pouco da minha vida com vocês, e qual a visão de vocês sobre esse assunto deixe aqui nos comentários e se vocês quiserem conversar um pouco mais comigo é só dar um like na fanpage Paula Ribeiro Moda e seguir o blog lá no Instagram @paularibeiromoda sempre estou online e vou adorar conversar um pouco mais com vocês!
Um beijo e fiquem com Deus!

Comente com o Facebook:

16 comentários:

  1. Não sei bem o que comentar pois posso estar totalmente errada por não ter esse tipo de situação, mais penso da seguinte forma, quando temos uma mãe guerreira uma mãe que luta por nós, e apesar de todos os pesares, acabamos acostumando com isso, não que seja fácil e acredito que esteja longe de ser, mais devemos pensar que temos de amar extremamente quem está por nós, nem todas as pessoas estão preparadas ou querem estar preparadas para isso, e talvez Deus 'livre' a gente de certos pesos, melhor ter alguém que sempre faz tudo por nós, do que viver ao lado de um 'pai' que não faz muito, que está ali só físico, e infelizmente existem muitos assim por ai. Mais não é fácil mesmo, e tem que ter cabeça boa e ser forte em muitos momentos mesmo.

    http://faalamesmo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está totalmente certo, eu penso assim e foi isso o que aconteceu comigo! Temos que uma pessoal forte ao nosso lado de caráter e com muito amor a dar... Beijos

      Excluir
  2. Ser pai realmente não é só dar dinheiro. A presença masculina na criação é de extrema importância. Sua mãe é uma mulher guerreira por ter criado vc tão bem sozinha. Parabéns a ela.

    www.coisinhasdatammy.com.br BC

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é guerreira mesmo Tamara,e tenho muito orgulho dela por tudo o que passou e fez! Beijos

      Excluir
  3. Gostei da tua iniciativa de compartilhar esse tipo de post com os leitores, inspirador, apenas (:
    Beijão ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom May que gostou, não seu me deu vontade e escrevi, apesar desse assunto não ser o foco de muitos blogs, aqui eu gosto de escrever o que der na cabeça! Beijos

      Excluir
  4. Acho que assuntos que se tratam de família é sempre complicado.. Quando cheguei em uma certa idade, nunca tive meus pais presentes, e olha que morávamos na mesma casa, mas eu me criei sozinha, errando e aprendendo, até o momento de separação dos meus pais e eu optar por ficar com mu pai.. Já cheguei a falar que não tinha mãe, porque pra mim ela fez coisas que não jamais uma mãe faz com um filho, então ao contrario de você, passei uma parte da minha vida sendo criada pelo meu pai, tive varias mães, mães de minhas amigas, professora, e agora a atual mulher do meu pai, que age com mais amor do que recebi minha vida inteira da minha mãe, então acho que eu mais ou menos como você se sente, por gêneros diferentes, mas sei, e sei a falta que faz e como é complicado, mas como você disse, a gente aprende a viver e se virar, e agradecer a quem em algum momento cuidou ou se preocupou e deu amor pra gente.
    Lindo post Paula.

    Beijooo!
    http://nayaraoferreira.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Nay, tudo faz parte de um processo algumas pessoas acrescentam e ou outras passam por despercebidas na nossa vida, e na questão paterna tive a minha Mãe que só acrescentou! Beijos

      Excluir
  5. Parabéns pelo post!! Tenho meu pai do meu lado e não imagino como seria minha vida sem ele. Mas conheço pessoas que assim como você tem uma mãe muito guerreira que vale pelos dois!!
    Beijos Orquídea Negra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje isso é bem comum né Jéssica, não é um bicho de sete cabeça, mas é uma coisa a se pensar! Mas as mulheres estão cada vez mais preparadas para esse tipo de questão! Beijos

      Excluir
  6. Nossa Paula fiquei realmente emocionada com seu post, sério mesmo! Olha, quanto a essas pesquisas que dizem q "mulheres que não cresceram com o pai não sabem se relacionar com homens" é balela! Pura balela! tem um texto de um psicólogo falando sobre o tema, acho que vc vai gostar de ler: http://www.papodehomem.com.br/ela-nao-sabe-se-relacionar-porque-nao-teve-pai-id-28

    Bzus,
    www.miniquiteria.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu amei o texto, adoro fazer relações entre o comportamento humano, e o modo como foi criado, vou até dar um update no post para as pessoas lerem! Muito obrigada pela indicação, beijos...

      Excluir
  7. Olá, tudo bem? Realmente as questões de família são complicadas. Não consigo imaginar tudo o que você e a sua mãe passaram, mas fico feliz em saber que deu tudo certo e a sua mãe conseguiu fazer o papel dos dois e te amar em dobro! Foi legal você escrever e contar a sua experiência porque muitas pessoas podem estar passando pela mesma situação no momento!

    Beijos,

    Mari
    cantinhodeleituradamari.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mari, tudo bem sim! Olha só tenho a agradecer a ela viu, resolvi compartilhar por que isso faz parte da minha essência, e como você disse vai que consigo ajudar alguém o que é mais gratificante ainda! Beijos

      Excluir
  8. Oi Paula, tudo bem?
    Tenho uma amiga com situação parecida, porém ela tem o avô que cumpre esse papel.
    Não vivi situação parecida, tive meu pai até meus 17 anos, mas agora estou vivendo sem ele e é muito difícil.
    Senti muita necessidade dele em minha maioridade, para me apoiar e me mostrar o mundo, mas pelo menos tive a presença em grande parte da vida.
    Sei que nunca vou saber como é difícil pra você, mas talvez seja egoísmo da minha parte dizer mas: antes um pai ausente que um pai presente que não fosse uma pessoa boa e te tratasse mal.
    Não tenho do que reclamar sobre o meu, mas já ouvi histórias terríveis.
    Beeeijo
    pretobrilhante.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é egoísmo não, realmente antes não ter um pai do que ter um não é presente! Beijos

      Excluir

Oi gostou do post? Escreva aqui sua opinião o duvida terei o maio prazer de te responder!!! Beijos....

© Paula Ribeiro - 2014. Todos os direitos reservados.
Criado por: Design Divino.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo